Não é raro encontrarmos pessoas que batem no peito e de uma forma desafiadora declaram aos quatro ventos: “Eu não tenho medo”.

Em primeiro lugar provavelmente isto não é verdade.

Em segundo lugar essa atitude encobre uma grande oportunidade de entender os medos de uma forma positiva.  Sim eu disse positiva.

Porque a natureza dotou o ser humano de medo como um sentimento de alerta, uma proteção,  que procura minimizar os riscos na nossa caminhada pela vida. O medo administrado na dose correta nos faz medir os riscos de cada um dos nossos passos gerando possibilidades de melhores resultados

Ausência de medo não é coragem.  Ausência de medo  é irresponsabilidade e inconsequência.

O desconhecimento dos benefícios do medo na dosagem certa gera o medo de ter medo.  Nesse momento muitos optam por uma vida de riscos muitas vezes inconsequente, aparentemente ousada e falsamente corajosa,se expondo à situações desnecessárias na tentativa inútil de esconder o medo de ter medo.

Não vamos então confundir o medo com o pânico. O primeiro abre o nossos olhos aguça os nossos sentidos acelera o nosso pensamento e nos mantém alertas para os riscos encobertos. O segundo sim, esse paralisa e impede nossa caminhada. O pânico é o medo que domina.

Coragem não é ausência de medo.  É a liberdade de não fazer as coisas sempre do mesmo jeito.  E a liberdade de romper paradigmas de ser criativo  e questionador.

O medo não impede você de caminhar a passos largos na direção dos seus objetivos de vida.  Mas evita que você coloque os seus pés em caminhos errados.